Supercondutividade cada vez mais próxima da temperatura ambiente

Supercondutores são materiais que apresentam resistência elétrica nula sob determinadas condições externas, normalmente baixas temperaturas e pequenos campos magnéticos. São essas condições restritivas, principalmente a temperatura, que limitam significativamente o desenvolvimento de produtos a partir de supercondutores. Um dos materiais de mais alta temperatura crítica à pressão ambiente, que é a temperatura máxima na qual o supercondutor mantém suas propriedades, é a cerâmica de composição Hg0,8Tl0,2Ba2Ca2Cu3O8, cuja temperatura crítica é cerca de -135°C. Apesar de extremamente elevada comparada aos supercondutores descobertos inicialmente, cujas temperaturas críticas ficam em torno de -270 a -234°C, essa temperatura ainda é bastante distante da temperatura ambiente, tornando necessário o uso de sistemas de refrigeração, que implicam em alto custo e alto gasto energético para desenvolvimento de produtos a partir de supercondutores. O vídeo abaixo mostra um exemplo de utilização de um supercondutor para o desenvolvimento de um equipamento de lazer, uma espécie de skate denominada Hoverboard. Reparem que é necessária constante emissão de gás para refrigeração do componente, mantendo-o a baixas temperaturas.

Agora imaginem a revolução em nosso cotidiano se fossem descobertos materiais supercondutores à temperatura ambiente! Poderíamos desenvolver mundo afora trens que transitam a altas velocidades sem atritar com os trilhos, poderíamos produzir diversos equipamentos para lazer e componentes com aplicações ainda inimagináveis para nós. Estamos um passo mais próximos desta realidade de supercondução à temperatura ambiente, no entanto apenas para aplicações, em um primeiro momento, em componentes de pequena dimensão, como aqueles presentes na indústria eletrônica. Essa evolução é devido à recente síntese do estaneno, no começo de agosto de 2015, pela equipe de Zhang, através de uma parceria entre China e Estados Unidos. O estaneno é um material semelhante ao grafeno, cuja estrutura é uma folha de átomos de espessura monoatômica, o que implica em um material de duas dimensões. Neste caso, os átomos que compõem esta estrutura são de estanho, diferentemente do grafeno, composto por átomos de carbono. O que torna o estaneno tão interessante é que cálculos físicos teóricos demonstram que ele exibe uma espécie de supercondutividade à temperatura ambiente, que pode ser elevada a até aproximadamente 100°C com a adição de átomos de flúor.

O estaneno não é exatamente um supercondutor, ele é um material denominado isolante topológico. Esta classe de materiais conduz eletricidade através das bordas e superfície do material sem oferecer qualquer resistência , pois a maioria das impurezas presentes não afeta o spin dos elétrons, que são os portadores de carga do sistema, e consequentemente há o desenvolvimento de supercondutividade, pois os elétrons não podem ser atrasados. Este comportamento, no entanto, não é apresentado no interior do material isolante topológico, mas uma vez que o estaneno possui a espessura de um único átomo, ele conseguirá conduzir corrente elétrica com 100% de eficiência. A equipe de Zhang também propôs que telúrio, selênio, antimônio e bismuto poderiam comportar-se como isolantes topológicos, no entanto esse comportamento não ocorre à temperatura ambiente como no estaneno.

Apesar de já sintetizado, até o momento as propriedades do estaneno não puderam ser confirmadas,  pois a síntese só funcionou a partir da deposição de átomos de estanho sobre um substrato de telureto de bismuto, material que interfere nas propriedades do estaneno. Assim, diversas equipes ao redor do mundo continuam suas pesquisas para encontrar formas mais simples e mais efetivas de produzir o material.

estaneno

Vista superior (a) e lateral (b) do estaneno sobre o substrato de telureto de bismuto. Fonte: ZHANG et al, 2015.

Além de dificultar a síntese e processamento, a estrutura bidimensional do estaneno de certa forma limita suas aplicações. As primeiras ideias de utilização para o estaneno é na indústria eletrônica, melhorando significativamente o rendimento de dispositivos como os microprocessadores, por diminuir a dissipação de calor e também a energia consumida pelos mesmos. Futuramente, pensa-se em ampliar a utilização de estaneno para outros componentes de um circuito, possivelmente até substituindo o silício na produção de transistores. Aplicações mais robustas, por enquanto, ainda necessitam da produção de novas tecnologias.. vamos resolver mais este problema, engenheiros de materiais?

Referências:

ASKELAND, D.; PHULÉ, P. “The Science and Engineering of Materials.” Cengage Learning, 2005.

DOE/SLAC National Accelerator Laboratory. “Will 2-D tin be the next super material?.” ScienceDaily. ScienceDaily, 21 November 2013. <www.sciencedaily.com/releases/2013/11/131121135635.htm>.

Estañeno: primeros trabajos para fabricar el nuevo hermano del grafeno

Yong Xu, Binghai Yan, Hai-Jun Zhang, Jing Wang, Gang Xu, Peizhe Tang, Wenhui Duan, Shou-Cheng Zhang. “Epitaxial growth of two-dimensional stanene”. Physical Review Letters (2013), 111, 136804. DOI: 10.1103/PhysRevLett.111.136804

5 thoughts on “Supercondutividade cada vez mais próxima da temperatura ambiente”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *