Vidros eletrocrômicos

Materiais eletrocrômicos possuem a interessante propriedade de alterar sua cor a partir da incidência de uma diferença de potencial. Assim, ao modificar a tensão aplicada sobre eles, é possível controlar seu grau de transparência e, consequentemente, o grau de transmissão que determinadas radiações do espectro eletromagnético terão através desses materiais.  É nesse contexto que surgem os vidros eletrocrômicos, os quais, somente com o apertar de um botão, proporcionam um controle das intensidades de luz e radiações como ultravioleta e infravermelho transmitidas, garantindo inúmeros benefícios a seus usuários. Janelas feitas dessa classe de vidros, por exemplo, permitem um aumento no conforto visual, uma vez que a transmissão de luz pode ser diminuída nos períodos em que há luminosidade excessiva proveniente do ambiente externo ou intensificada de maneira a maximizar o aproveitamento da luminosidade externa quando ela não for mais incômoda. Outra vantagem é a economia de energia, visto que no verão a passagem elevada de ondas de infravermelho através dos vidros de janela causa um aumento da temperatura do ambiente interno. Se a intensidade dessas ondas for diminuída, diminui também a energia utilizada por ares-condicionados para manter amena a temperatura da sala. Por outro lado, no inverno é possível maximizar o aproveitamento da radiação solar para o aquecimento do ambiente. Outra aplicação bastante interessante desses materiais é em retrovisores veiculares, pois permitem proteger o motorista da incidência de luz alta e consequentemente melhorar segurança nas estradas.

vidro-eletrocromico

Janelas feitas com vidros eletrocrômicos.

Como funcionam os vidros eletrocrômicos? Na verdade, os vidros utilizados possuem composição química semelhante a vidros comuns e não apresentam propriedades eletrocrômicas. O segredo desses dispositivos está em recobrir os vidros por filmes finos e transparentes, normalmente compostos por metais de transição, como óxido de estanho dopado com óxido de índio (SnO2-InO2), trióxido de tungstênio (WO3) ou pentóxido de nióbio (Nb2O5). São esses compostos que, através de mudanças  em seu estado de oxidação, apresentarão alteração de coloração. Os vidros recobertos serão separados por um eletrólito e farão o papel de eletrodos, sendo ligados a uma bateria. Assim, ocorre a formação de uma célula eletroquímica, denominada “vidro eletrocrômico”, o qual apresenta  variação de sua coloração e transmissividade com a aplicação de uma  diferença de potencial.

Mais informações em:

Vidro eletrocrômico é alternativa para segurança e economia de energia;

Electrochromic glass;

Uma visão das tendências e perspectivas em eletrocromismo.

Compartilhar Matéria: